Os Numenorianos Negros

Escrito por Olórin. Publicado em Povos

Na 3ª Era do Sol, os terríveis Numenorianos Negros aterrorizaram e pilharam as terras costeiras da Terra Média por muitos séculos. A imagem dos seus barcos com velas negras sempre encheu os povos da Terra Média de medo, pois cada barco era capaz de transportar muitos guerreiros e era movido pela força de escravos que manejavam muitos remos.

Os Numenorianos chegaram pela primeira vez a Umbar (nas costas do Sul da Terra Média) na 2ª Era do Sol, e com o passar dos tempos acabaram por sucumbir ao Poder Negro. Muitos, após a Queda de Númenor (2ª Era, ano de 3319), permaneceram em Umbar e eram chamados de Numenorianos Negros e constituíam um enorme poder marítimo. Os Numenorianos Negros eram aliados de Sauron, que andou no meio deles e os corrompeu usando a sua ânsia de poder e deu-lhes muitos presentes. A três destes Numenorianos Sauron deu três Anéis de Poder e estes foram mais tarde contados entre os nove Espectros do Anel, os Nazgûl. A outros dois, Herumor e Fuinur, ele deu outros poderes e eles tornaram-se senhores entre os Haradrim.

Os Numenorianos Negros muitas vezes iam para Norte, para as terras de Gondor e Arnor, para testar a sua força contra os Homens, que segundo eles tinham traído Númenor e os seu Rei, os Elendili, amigos dos Elfos. Sendo aliados de Sauron, os Numenorianos Negros opunham-se aos Elfos e, acima de tudo a Elendil e aos seus seguidores. Os Numenorianos Negros provaram ser imensamente fortes e por mais de mil anos as suas actividades perduraram.

No entanto, em determinada altura (no 10º século da 3ª Era), o Rei Eärnil I subiu ao trono e reduziu o poder marítimo de Umbar a nada e apoderou-se de Umbar que passou a ser uma fortaleza do reino de Gondor. Apesar disso os Numenorianos Negros surgiram de novo e só em 1050 da 3ª Era do Sol o Rei de Gondor (mais propriamente Hyarmendacil I – Conquistador do Sul) conseguiu deitar o poder dos Numenorianos Negros por terra... para sempre. Embora derrotados, eles não foram extintos e procuraram refúgio com os Haradrim ou em Mordor e como é dito no “Livro Vermelho de Westmarch”, um deles tornou-se no porta-voz de Sauron – A Boca de Sauron.

Sempre existiram quezílias com os Haradrim, que muitas vezes atacaram Umbar, e também houve uma rebelião interna em Gondor. Chegou então um momento em que os Haradrim, os rebeldes de Gondor e o que restava dos dispersos Numenorianos Negros reocuparam Umbar com muitos e enormes barcos de guerra e restauraram o seu poder. E assim permaneceu, desde o 15º século (da 3ª Era) até à Guerra do Anel. Este povo sempre foi conhecido como “Os Corsários de Umbar” e sempre foi contado entre os principais inimigos dos Dúnedain de Gondor.

O “Livro Vermelho de Westmarch” conta como, no último século da 3ª Era, o líder dos Dúnedain Aragorn, filho de Arathorn, se assumiu como o arquitecto da queda dos Corsários pois Aragorn liderou os Dúnedain de Gondor até aos portos de Umbar e aí matou o seu capitão e pegou fogo à sua armada. Na Guerra do Anel, Aragorn liderou um exército fantasma– os Homens amaldiçoados das Montanhas Brancas – desde Dunharrow, fazendo-os cumprir o juramento que tinham quebrado com Isildur, e com este exército Aragorn deferiu o derradeiro golpe aos Corsários, pois o Dúnedain retirou-lhes todos os barcos.

Com esta acção Aragorn não só acabou de vez com o poder dos Corsários como mudou a maré na Guerra do Anel, que não estava a correr nada bem aos Povos Livres, levando os aliados dos Dúnedain nos barcos dos Corsários para a Batalha dos Campos de Pelennor quando tudo parecia perdido.

O final da 3ª Era foi também o final dos Numenorianos Negros, pois os “presentes” de poder que Sauron lhes deu desapareceram com a sua queda, e nos anais da 4ª Era este povo não mais é mencionado.

Escrito por Olórin