A 2ª Profecia de Mandos

Escrito por Olorin. Publicado em History of Middle-Earth

Existe uma referência no Unfinished Tales, na secção "The Istari", que diz o seguinte:

"Manwë não descerá da montanha até a Dagor Dagorath, e a Chegada do Fim, quando Melkor regressar". Christopher Tolkien fez um comentário acerca disto: "Esta é uma referência à "Segunda Profecia de Mandos", que não aparece no Silmarillion; a sua elucidação não pode ser tentada aqui, uma vez que necessita de algum explicação da história da mitologia em relação à versão publicada."

O Unfinished Tales foi publicado em 1980, e, afortunadamente, com a publicação, em 1986 do quarto volume da The History of Middle-earth, entitulado The Shaping of Middle-earth, pode-se entender mais sobre a Segunda Profecia de Mandos. Ela aparece neste volume de duas formas, no primeiro "Silmarillion", como escrito para o primeiro professor de Tolkien, R. W. Reynolds por volta de 1926, e também no "Quenta Silmarillion" propriamente escrito por volta de 1930. Para a versão do primeiro "Silmarillion", vejam section 19, pp. 40-1 de The Shaping of Middle-earth. A segunda versão, da qual alguns trechos abaixo foram retirados, encontra-se em section 19 , pp. 163-5 do mesmo volume:

"Após o triunfo dos Deuses, Eärendil continuou a navegar nos mares do céu, mas o Sol o queimava e a Lua o perseguia-o no céu... Então os Valar desceram o seu navio branco Vingilot para a terra de Valinor, e encheram-no com brilho e consagraram-no, e lançaram-no através da Porta da Noite. E por muito tempo Eärendil navegou na vastidão sem estrelas, Elwing a seu lado, o Silmarill na sua fronte, navegando o Escuro atrás do mundo, uma brilhante e fugitiva estrela. E algumas vezes ele voltava e brilhava atrás dos cursos do Sol e da Lua sob a protecção dos Deuses, mais brilhante que todas as outras estrelas, o marinheiro do céu, mantendo guarda a Morgoth até os confins do mundo. Dessa forma deverá navegar até que veja a Última Batalha que se passará nas planícies de Valinor.

Dessa forma falou a profecia de Mandos, que ele declarou em Valinor durante o julgamento dos Valar: quando o mundo estiver velho e os Poderes se cansarem, então Morgoth deverá retornar através da Porta para fora da Noite Eterna; e ele deverá destruir o Sol e a Lua, mas Earendel virá até ele como uma chama branca e o derrubará dos ares. Então deverá ser travada a última batalha sobre os campos de Valinor. Naquele dia Tulkas lutará com Melkor, e à sua direita estará Fionwë (Filho de Manwë e Varda) e à sua esquerda estará Turin Turambar, filho de Hurin, Mestre do Destino; e será a espada negra de Turin que trará a Melkor a morte e fim definitivo; e então os Filhos de Hurin e todos os homens estarão vingados.

Então os Silmarills serão recuperadas do mar da terra e do céu; pois Eärendil descerá e dará aquela chama a qual mantinha posse (o Silmarill). Então Fëanor utilizará as Três e com seu fogo reacenderá as Duas Árvores, e uma grande luz surgirá; a as Montanhas de Valinor serão rebaixadas, para que a luz possa atingir o mundo todo. Naquela luz os Deuses novamente sentir-se jovens, e os Elfos despertarão e todos os mortos ressuscitarão, e o propósito de Ilúvatar estará completo em relação a eles. Mas dos Homens naquele dia a profecia não fala, com excepção de Turin apenas, e ele é nomeado entre os Deuses."

É sem dúvida uma história muito bonita, Fëanor, o maior de todos os Elfos, já absolvido dos erros que cometeu trará de novo a luz das duas árvores que passarão a brilhar em todo o mundo.

Imagens: As portas da noite